X

TRANSA dá o nome à mostra de Ângela Berlinde no Espacio/Jhannia Castro e surge como mote para uma reflexão sobre a existência contemporânea, ameaçada pelo limbo e brutalidade dos processos colonizatórios que agora se revertem. A Terra, neste tempo suspenso, parece ecoar um grito surdo que agrega todas as forças civilizatórias juntas - as repressoras e as subalternas, as da história majoritária e as minorias, a mulher, o negro, o indígena, o colonizador.

Ângela Berlinde mergulha no seu arquivo para extrair formas e funções poéticas e políticas a partir da conjuntura cartográfica que a levou a habitar, na última década, duas terras intrinsecamente conectadas pelo expansionismo da história moderna: a sua terra natal, Portugal, e seu filho mestiço, Brasil.

Artista e investigadora no campo do hibridismo da Fotografia, Ângela Berlinde interessa-se pelo lugar do artista nestes tempos obscuros e apela a uma ressignificação do tempo presente, numa tentativa poética de captar o curso irreversível do tempo e de todos os acontecimentos brutais que permanecem a marcar o curso da história.

Ângela Berlinde
© Ângela Berlinde